ASSOCIE-SE Juntos fazemos a diferença!

Debate "Descobrir Mentes", uma viagem pela saúde mental

Publicado a 15/09/2021

A ADEB participou, recentemente, num debate no âmbito do projeto Descobrir Mentes - uma parceria TSF/JN com a Janssen, companhia farmacêutica do grupo Johnson & Johnson.

Debate "Descobrir Mentes", uma parceria TSF/JN com a ADEB e a Janssen, companhia farmacêutica do grupo Johnson & Johnson.

"Descobrir Mentes: Saúde Mental continua a lutar contra estigma difícil de vencer"

Pandemia fez com que o tema saltasse para a ordem do dia, mas especialistas defendem que ainda há um longo caminho a percorrer e que faltam recursos

Continua a existir um preconceito generalizado por parte da população portuguesa no que respeita à saúde mental e aos constrangimentos críticos que daí podem advir. Esta foi uma das conclusões a ressaltar do encontro entre especialistas realizado, ontem, na Rádio Antena Livre, no âmbito do projeto "Descobrir Mentes", levado a cabo pelo Jornal de Notícias, pela TSF e pela farmacêutica Janssen. Desta vez, foi a região de Lisboa e Vale do Tejo a merecer o protagonismo.

Segundo Luís Câmara Pestana, chefe do Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, "apenas uma em cada quatro pessoas procura - olhando para o caso da depressão - os cuidados de saúde para fazer uma avaliação". Câmara Pestana afirmou mesmo que "o estigma à volta deste tema é problemático porque se entende que os estados depressivos têm apenas a ver com a fraqueza da pessoa em lidar com a adversidade".

Visão idêntica partilhou Teresa Maia, coordenadora da Unidade Funcional de Psiquiatria do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF). "Continua a haver algum estigma em relação à doença mental e, portanto, há pessoas que atrasam demasiado o pedido de ajuda", esclareceu a responsável. A coordenadora do HFF acrescentou ainda que até no seio hospitalar existe "um longo caminho a percorrer e muito a melhorar quer em termos da abordagem nos cuidados de saúde primários para os quadros mais ligeiros, quer depois no acesso a tratamentos diferenciados".

Apesar do cenário de desvalorização dos problemas ligados à sanidade mental ainda prevalecer, Teresa Maia realçou o efeito profilático que a atual época pandémica tem de certa forma assumido. "Nunca se falou tanto de saúde mental como desde a pandemia, e esse efeito é positivo. As pessoas têm-se envolvido muito e assim é que tem de ser", sublinhou a psiquiatra.

Luís Oliveira, neuropsicólogo e vice-presidente da Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares (ADEB), comprovou igualmente a maior afluência dos portugueses à ajuda psicológica especializada nos últimos tempos. "Acompanhamos cerca de 400 pessoas na zona de Lisboa e constatamos que, em 2020, no primeiro semestre, praticamente atingimos o mesmo número de consultas que tínhamos atingido em todo o ano de 2019", explicou.

Ouvir debate Descobrir Mentes

Recursos escasseiam

Porém, como reverso da medalha, o dirigente da ADEB assumiu que não tem sido fácil atender tantas solicitações, pois "os recursos humanos não são ilimitados e para se prestarem bons cuidados de saúde é necessária mais gente e são precisas mais condições". Luís Oliveira declarou inclusive que "só com uma postura missionária é que se consegue fazer um trabalho profícuo nesta área".

A propósito desta questão mais estrutural do campo da saúde mental, Luís Câmara Pestana disse não ser necessária uma reforma profunda, já que a organização dos serviços é "bastante razoável". O psiquiatra do Hospital de Santa Maria defendeu, contudo, "a necessidade de uma articulação entre os vários profissionais e os recursos existentes", admitindo também a importância de "existir uma maior autonomia dos serviços, nomeadamente em termos económicos" que permita aumentar o recrutamento de pessoal especializado.

Teresa Maia, por seu turno, manifestou-se otimista acerca do futuro e referiu que "o Plano de Recuperação e Resiliência pode permitir a implementação de medidas que se aguardam há muito tempo".

Fontes:
Jornal de Notícias - 15/09/2021
Jornal de Notícias online – 15/09/2021


Debate sobre saúde mental na Região de Lisboa e Vale do Tejo -"Recursos, proximidade e diferenciação precisa-se numa altura em que em Lisboa cerca de 20% da população pediu ajuda online"

Um debate onde se analisou a capacidade de resposta dos serviços de saúde mental durante a pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, a falta de recursos, as necessidades de resposta, os fatores de risco como álcool e drogas, a prevenção e a expectativa quanto aos fundos da "bazuca" europeia para a criação de mais mil camas e 40 novas equipas comunitárias em todo o pais.

A proximidade e a diferenciação são dadas neste debate como palavras-chave para a resposta à procura dos serviços de saúde mental, numa altura em que apenas uma em cada quatro pessoas procura ajuda e que apesar da capacidade de diagnóstico, os profissionais se debatem com a falta de recursos, à espera das verbas da "bazuca europeia" para concretizarem medidas relativas a tratamentos e prevenção.

Vinte por cento da população, cerca de um milhão de pessoas procurou informação online sobre formas de ajuda ao nível da saúde mental durante o último ano e apesar das consultas e tratamentos de psiquiatria terem descido numa primeira fase da pandemia, agora têm vindo a crescer gradualmente com o desconfinamento social, sendo expectável que aumentem mais até 2022.

Uma realidade trazida a este debate por Luís Câmara Pestana, Chefe de Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do HSM-CHLN Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, também por Teresa Maia, Coordenadora da Unidade Funcional de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca da Amadora, e ainda por Luís Oliveira, Neuropsicólogo e Vice-Presidente da ADEB - Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares.

Fontes:
Tsf Online - 15/09/2021
Antena Livre Online - 14/09/2021
Jornal de Abrantes Online - 14/09/2021
Antena Livre Online - 13/09/2021
Jornal de Abrantes Online - 13/09/2021

+ OUVIR DEBATE



Destaque

Notícias e actividades

VER TODAS

Atividades ADEB (Sede Nacional) 1º Trimestre 2022

Atividades ADEB (Sede Nacional) 1º Trimestre 2022

Atividades ADEB (Sede Nacional) 1º Trimestre 2022. Sessão Psicopedagógica: A Família: impacto e estratégias na gestão da Doença Bipolar

Publicado a 07/02/2022

+ Ver mais
ADEB no programa Praça da Alegria, na RTP1

ADEB no programa Praça da Alegria, na RTP1

ADEB esteve representada no programa Praça da Alegria, na RTP1 onde foi abordado o tema “Psicofármacos”.

Publicado a 10/02/2022

+ Ver mais
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização