ASSOCIE-SE Juntos fazemos a diferença!

Estratégias para Gerir a Ansiedade em tempos de pandemia

Publicado a 28/06/2020

Na situação de pandemia surge facilmente o sentimento de não se estar só: estamos unidos e, grande parte de nós está mais unido a quem verdadeiramente importa, lutando essencialmente pelo que a vida tem de mais valor para si.

Pessoas a caminhar na montanha e a olhar para o mar num pôr do sol

São muitas as histórias impregnadas de fortes e diversas emoções relacionadas com a pandemia do covid-19; umas entoadas essencialmente pelo medo de ser contagiado e, consequentemente contagiar familiares e amigos; outras pela frustração de quem, por exemplo, se vê na eminência de perder um emprego devido ao covid-19, depois de um longo período para conquistá-lo; ou pela angústia da incerteza sobre o que irá acontecer ao seu emprego ou negócio; outras ainda, pela ânsia de voltar a viver a vida com os amigos e família em segurança ou, também, pela alegria de se viver mais tempo com qualidade junto de quem se gosta; muitas dessas histórias são intensas e reveladoras para a vida sobre o que realmente importa ser vivido.

Após as primeiras reações de forte apreensão e temor perante o que nos estava a acontecer, verificou-se emergir, naturalmente, a solidariedade numa sociedade que se vê vulnerável (como muitos poucos imaginariam ser possível) e se une mais que nunca, com gestos espontâneos de entreajuda, conscientes do perigo, surgindo à tona um conjunto de valores que, certamente, queremos que as novas gerações herdem e contem também ao contar a História desta pandemia.

Assim, envolvidos neste sentimento de pertença e entreajuda, há que procurar estratégias para enfrentar a situação e a ansiedade que daí advém, confiando nas nossas capacidades e focando-nos no que depende de nós para lidar com a situação. Este artigo, após uma breve introdução teórica ao tema, procura descrever algumas estratégias para gerir a ansiedade e o stress em tempos de pandemia.

Ao contrário de uma fase de Depressão, em que a pessoa se sente isolada, apática e/ou culpabilizada perante o que lhe está a acontecer e fortemente incompreendida, na situação de pandemia surge facilmente o sentimento de não se estar só: estamos unidos e, grande parte de nós está mais unido a quem verdadeiramente importa, lutando essencialmente pelo que a vida tem de mais valor para si. Estamos, no entanto, também mais ansiosos, mas é essa ansiedade despoletada pelo medo que nos faz precaver e ter atitudes protetoras para connosco e para com os outros.

A ansiedade ao longo da história da nossa espécie tem tido um contributo decisivo para a nossa sobrevivência, pois, perante os perigos e desafios que temos enfrentado, a ansiedade surge como função protetora, ativando o nosso sistema “luta ou fuga” (“fight-or-flight”) através do sistema nervoso simpático¹. Quando avaliamos uma ameaça, tal como acontece relativamente ao covid-19, estamos a ativar involuntariamente o sistema nervoso simpático que prepara imediatamente o organismo para reagir com prontidão. Trata-se, pois, de um estado de excitação que ajusta o nosso corpo para lidar com a ameaça percecionada, verificando-se, por exemplo, a dilatação pupilar, respiração e batimento cardíaco mais acelerado (possibilitando, respetivamente, uma maior oxigenação e nutrição das células e, consequente produção de energia), estimulação da produção de adrenalina e noradrenalina nas glândulas suprarrenais, entre outras alterações.

Para que possamos ir mantendo um estado de equilíbrio e homeostasia, o nosso organismo necessita alternar o sistema simpático com o sistema parassimpático. Para tal, após um período energético, surge a ativação do sistema parassimpático em períodos de maior tranquilidade, para um repouso e recuperação do organismo. Digamos que estamos “equipados” com um mecanismo eficaz para lidar com situações de perigo durante períodos de curta duração. Não estamos, contudo, preparados nem habituados a lidar com situações em que nos sentimos perante uma ameaça ou preocupação constante, como é o caso desta pandemia, pois este cenário tende a dificultar a recuperação e o relaxamento necessário do organismo, através da ativação do sistema parassimpático. Logo, com a continuidade desta situação, caso não haja o uso voluntário de estratégias que nos permitem relaxar, é expectável surgirem sinais de stress e ansiedade, que podem conduzir a várias consequências nefastas para o organismo, tal como uma diminuição da imunidade, perturbações do sono e, problemas de saúde mental, como as Perturbações de Ansiedade² ou Perturbações de Humor – Depressão e Perturbação Bipolar.

Neste contexto, para contribuirmos para o equilíbrio ou homeostasia do nosso organismo e, desse modo prevenir problemas de saúde, que estratégias poderemos utilizar? A ansiedade resulta da nossa perceção das situações, ou seja, resulta em parte dos nossos pensamentos; portanto, poderei beneficiar se aprender a identificar e a gerir os pensamentos automáticos negativos – um apoio psicológico pode ser muito útil nesse sentido. Relacionado com a ansiedade, podemos entender o stress como o “desgaste” do organismo resultante de uma situação contínua de ameaça ou preocupação, sem ter a possibilidade de recuperação ou relaxamento necessário.

Para relaxar não resulta dizermos para pararmos de estar ansiosos, pois estamos a direcionar o pensamento para o estado de ansiedade, o que nos mantem ansiosos. Algo que resulta, embora nem sempre com eficácia, mas que nos pode fazer sentir muito melhor, é arranjarmos entretenimentos ou passatempos - ver um filme, ler um livro, ouvir música, ver um programa televisivo que gostamos e que possibilite não pensarmos em mais nada, rir (com amigos, ver um programa de comédia, etc.), cantar, dançar, entre outras atividades que possam proporcionar sentimentos de bem-estar.

Ajuda focar a atenção no que depende de nós, procurando aceitar que as questões que não controlo não necessito de me desgastar a procurar mudá-las, tal como por exemplo, “as ações que os outros possam ter”, “se os outros seguem ou não as regras de distanciamento físico/social”, “as motivações das outras pessoas”, “quanto tempo esta pandemia vai durar”, “qual a quantidade de papel higiénico que haverá à venda nas lojas”. Desse modo, irei ter mais tempo para me focar no que posso controlar: “ter uma atitude assertiva e positiva”, “estar informado e seguir as recomendações da Direção Geral de Saúde”, “limitar o acesso às notícias e escolher os programas que considero mais credíveis”, “ser compreensível e razoável para comigo e para com os outros”, “manter a minha distância física/social”, “encontrar tarefas agradáveis para fazer”, “ajudar os outros”, etc.

A importância de uma rotina – gosto de pensar numa rotina, como algo que me organiza a ter tempo para o prioritário e necessário, de modo a ter mais tempo e saúde para ser livre e criar. Deste modo, há um conjunto de atividades e autocuidados que me ajudam a melhorar a minha saúde mental e gerir saudavelmente o stress e a ansiedade: ter um sono reparador e de qualidade; ter um espaço e um momento diário para exercícios de relaxamento/meditação (através da prática de yoga ou, com o auxílio de tutoriais de vídeo e áudio); praticar atividades físicas (por exemplo caminhadas), ter uma alimentação saudável, manter um convívio regular com amigos e família (distância física não significa distância social).

Estas são algumas estratégias, no entanto, cada um de nós tem a sua individualidade, logo, cada um pode ir compreendendo o que melhor funciona consigo e o que necessita em dada altura da sua vida. Em todo o caso, se a ansiedade se manifestar frequentemente, na maioria dos seus dias, com uma intensidade que lhe cause sofrimento e incapacidade para realizar as suas atividades diárias, então peça ajuda especializada – por exemplo, através dos contactos que encontra no site da ADEB www.adeb.pt pode beneficiar da ajuda de um dos nossos psicólogos. Entre outros serviços e valências que pode verificar no site da ADEB, desenvolvemos os Grupos Terapêuticos de Stress e Ansiedade indicados para aprender a restruturar padrões de pensamento associados ao stress e ansiedade e aprender técnicas de relaxamento.

Por fim gostaria de reforçar que a ansiedade é normal e tem uma função importante, contribuindo fortemente para a nossa decisiva capacidade de adaptação; no entanto, uma vez que em certas circunstâncias, como a da atual pandemia, a ansiedade, a tensão ou preocupação, tendem a ser mais sentidas que o habitual, importa, por isso, desenvolvermos formas de relaxar o nosso corpo de modo a prevenirmos problemas de saúde associados a esta situação.

Conte connosco para mais esclarecimentos acerca deste tema e com a nossa ajuda!

Um bem-haja,
Sérgio Paixão
Psicólogo Clínico
[email protected]

¹ O sistema simpático forma conjuntamente com o sistema parassimpático o Sistema Nervoso Autónomo, SNA, que é a estrutura do sistema nervoso que controla as funções vegetativas da vida, ou seja, a respiração, circulação sanguínea, temperatura corporal, digestão, etc.
² As Perturbações de Ansiedade são dos problemas de saúde mental mais frequentes em Portugal – são exemplo a Perturbação Generalizada da Ansiedade, Perturbação de Pânico, Agorafobia, Fobias especificas, Fobia Social, Perturbação Obsessivo Compulsiva, Perturbação de Stress Pós-traumático.




Destaque

Notícias e actividades

VER TODAS

Relatório revela que cerca de 200 mil portugueses sofrem de doença bipolar

Relatório revela que cerca de 200 mil portugueses sofrem de doença bipolar

António Sampaio, psiquiatra, em entrevista à RTP no programa Bom Dia Portugal, em 30 Abril 2019.

Publicado a 15/09/2020

+ Ver mais
A solidão pode contribuir para o desenvolvimento da depressão

A solidão pode contribuir para o desenvolvimento da depressão

António Sampaio, psiquiatra, em entrevista à RTP no programa Bom Dia Portugal, em 14 Janeiro 2020.

Publicado a 15/09/2020

+ Ver mais
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização