ASSOCIE-SE Juntos fazemos a diferença!

Ajudar um amigo ou membro da família com Depressão ou Perturbação Bipolar

Publicado a 18/10/2019

Compreender a Depressão e a Perturbação Bipolar

As Perturbações do humor, como a Perturbação Bipolar (anteriormente conhecida como doença maníaco-depressiva) e a Depressão, afetam milhões de pessoas. Durante as fases depressivas, as pessoas sentem-se muito tristes, perdem o interesse pelas coisas, ficam com pouca energia, têm insónia (ou dormem demais), sentem-se inúteis e podem mesmo suicidar-se. Durante a mania, podem estar exaltados (com humor muito elevado) ou muito irritados, com um aumento de atividade e energia, crenças grandiosas, fala acelerada e diminuição da necessidade de sono. A família e os amigos também são afetados. Se alguém que ama tem uma perturbação de humor, pode sentir-se impotente, oprimido, confuso e sem esperança - ou pode sentir-se magoado, irritado, frustrado e ressentido. Poderá ter sentimentos de culpa, vergonha e isolamento, ou sentimentos de tristeza, cansaço e medo. Todos esses sentimentos são normais. Este artigo mostrará um pouco sobre o que o seu familiar ou amigo com perturbação do humor está a passar e como poderá ajudá-lo e a si mesmo.

  • A doença do seu familiar não é culpa sua (ou culpa do seu familiar).
  • Não pode curar o seu familiar/ amigo, mas pode oferecer-lhe apoio, compreensão e esperança.
  • Cada pessoa experiencia uma perturbação do humor de maneira diferente, com sintomas diferentes.
  • A melhor maneira de descobrir aquilo de que o que seu familiar precisa é colocando questões diretas, mas também dando espaço para que a pessoa fale quando desejar ou se sentir à vontade. O que posso fazer para ajudar?
  • Lembre-se de que uma perturbação de humor é uma condição médica física tratável que afeta o cérebro de uma pessoa. É uma condição real, tão real quanto a diabetes ou a asma. Não é uma falha de caráter ou uma fraqueza pessoal, e não é causada por nada que você ou o seu membro da família tenham feito.
  • Não peça à pessoa para "sair dessa". O seu amigo ou membro da família não pode sair dessa condição mais do que poderia superar a diabetes, a asma ou tensão alta sem tratamento.
  • Eduque-se sobre a condição médica de seu familiar, seus sintomas e tratamentos. Leia brochuras e livros da ADEB e de outras fontes.
  • Dê amor e apoio incondicionais. Ofereça segurança e esperança para o futuro.
  • Não tente consertar os problemas do seu familiar por conta própria. Incentive-o a obter ajuda profissional.
  • Lembre-se de que uma perturbação do humor afeta a atitude e as crenças de uma pessoa. Quando uma pessoa diz algo irrealisticamente negativo ou grandioso, como "nada de bom vai acontecer comigo", "ninguém realmente se importa comigo" ou "eu aprendi todos os segredos do universo ", é provável que essas ideias sejam sintomas da doença. Com o tratamento, o seu familiar ou amigo poderá perceber que esse tipo de pensamento não é um reflexo da realidade.
  • Tenha expectativas realistas em relação ao seu familiar. Eles podem recuperar, mas isso não acontecerá da noite para o dia. Seja paciente e mantenha uma atitude positiva e esperançosa.
  • Incentive-o a dormir regularmente e a ter uma rotina diária.
  • Cuide-se para poder estar lá para o seu familiar. Encontre apoio para compreender a doença, através de terapia ou de grupos de suporte, psicoterapêuticos, psicoeducativos ou de ajuda mútua da ADEB.

 

O que posso fazer para garantir que o meu familiar receba tratamento eficaz?

  • Incentive o seu familiar a procurar tratamento. Explique que o tratamento não altera a personalidade e pode ajudar bastante a aliviar os sintomas.
  • Ajude-o a preparar-se para as consultas com os profissionais de cuidados de saúde, reunindo uma lista de perguntas. Ofereça-se para acompanhar esses compromissos.
  • Com permissão, converse com os profissionais de cuidados de saúde do seu familiar sobre o que poderá fazer para ajudar.
  • Incentive ou ajude o seu familiar a obter uma segunda opinião de outro profissional de saúde, se necessário.
  • Ajude-o a manter registos dos sintomas, tratamentos, evolução da doença e contratempos num diário, um Mapa do Humor ou uma aplicação do telefone para monitorização das oscilações do humor e tratamentos.
  • Ajude-o a seguir o plano de tratamento prescrito. Pergunte como poderá ajudar dando lembretes sobre medicamentos, terapia ou autocuidado.
  • Esteja disposto a dar um passo atrás, se ele quiser fazer isso sozinho.

 

Como posso ajudar alguém que tem sintomas de depressão?

A depressão pode fazer com que alguém tenha sentimentos de tristeza insuportável, culpa, inutilidade e desesperança. A pessoa não se quer sentir assim, mas não consegue controlar-se. Verifique se o médico da pessoa sabe o que está a acontecer e pergunte se pode ajudar nas tarefas diárias, como organizar ou ajudar nas tarefas domésticas, fazer recados ou cuidar de crianças. Ajude o seu familiar a seguir algum tipo de rotina diária, mesmo que prefira ficar na cama. Passe um tempo tranquilo junto à casa, se não tiverem vontade de conversar ou sair. Lembre-se de que você está aqui para oferecer apoio. Pode ser útil dizer coisas como:

Casal, de mãos dadas, a caminhar nos carris de uma linha de comboio

"Estou aqui para ti.”

"Eu importo-me."

"Eu posso não entender a tua dor, mas posso oferecer o meu apoio."

"Tu és uma pessoa que vale a pena e significa muito para mim."

“A Depressão (ou mania) está a alterar a forma como vês as coisas agora."

"Não desistas. Podemos ultrapassar isto juntos."

E se eu achar que a pessoa pode estar a pensar em suicídio?

Ofereça a sua ajuda e escute. Diga ao seu familiar que a vida dele é importante para si e para os outros. Lembre à pessoa que pensamentos suicidas são um sintoma de uma doença tratável.

  • Se a pessoa estiver a ameaçar suicidar-se naquele momento, ou estiver em perigo imediato, leve-a imediatamente ao seu psiquiatra ou a uma urgência hospitalar psiquiátrica. Não tente lidar com uma crise sozinho. Ligue para o 112 ou obtenha ajuda de outros amigos ou familiares.
  • Incentive o seu familiar a ligar para uma linha SOS Voz Amiga (213544545/912802669/963524660), para a linha de Saúde 808242424, ou para o 112, se estiver sozinho e a precisar de ajuda.
  • Leve a sério quaisquer ameaças ou menções casuais de morte ou suicídio. Não presuma que a pessoa está apenas a tentar chamar a atenção.
  • Incentive o seu amigo ou membro da família a esperar, e ajude-o a obter ajuda profissional imediatamente.
  • Não prometa que manterá em segredo os pensamentos ou planos de seu familiar. Pode ser necessário informar um médico ou membro da família para salvar a vida do seu familiar. As leis de privacidade dos cuidados de saúde permitem a partilha de informações em caso de emergência.
  • Descubra se a pessoa tem um plano que envolva um método específico de suicídio (por exemplo, comprimidos, uma arma) e se tem uma linha do tempo em mente. Falar sobre suicídio não incentivará a ideia na mente de uma pessoa, pode ter é o efeito oposto, dando a oportunidade de conversar sobre o que está a sentir.
  • Verifique se o seu amigo ou membro da família não tem acesso a qualquer tipo de arma, grandes quantidades de medicamentos ou qualquer outra coisa que possa ser perigosa. Poderá remover essas coisas da casa ou garantir que elas estejam trancadas com segurança.
  • Pergunte à pessoa se há um amigo ou membro da família com quem eles gostariam de conversar agora e que tenham sido úteis como fonte de apoio no passado.

 

Como posso ajudar alguém durante um episódio maníaco?

A mania pode fazer com que uma pessoa acredite em coisas que não são verdadeiras, que faça grandes planos ou mudanças na vida, gaste dinheiro excessivamente ou faça outras coisas que possam ser perigosas. Às vezes, uma pessoa pode ser mais extrovertida ou entusiasmada durante as fases iniciais da mania. Faça o possível para impedir que o seu familiar faça coisas que possam ser prejudiciais. Exortá-los a adiar qualquer plano para iniciar um grande projeto, gastar muito dinheiro, dirigir longas distâncias, sair sozinho à noite, encontrar alguém que ele ou ela conheceu apenas na internet ou qualquer coisa que pareça perigosa para si. Lembre-se de que podem insistir que tudo está controlado. Pode ser necessário pedir a outros amigos, familiares ou profissionais de saúde mental para intervir e ajudar a manter seu familiar ou amigo seguro.

Diga-lhe que está preocupado que possa estar a ter uma recaída dado o comportamento que tem manifestado. Se achar apropriado, pergunte se perdeu alguma hora da medicação. Incentive o seu familiar a consultar um médico o mais rápido possível. Não faça demandas, ameaças ou ultimatos, a menos que esteja totalmente preparado para os concretizar. Mantenha-se seguro. Se o seu familiar se tornar abusivo, ligue para um amigo, um familiar, profissional de saúde mental ou para o 112 para obter ajuda.

 

E se a hospitalização for necessária?

Às vezes, quando os sintomas de depressão ou mania se tornam graves, é necessário que uma pessoa seja hospitalizada. Isso pode parecer assustador no princípio, mas o ambiente seguro e controlado do hospital pode ajudar a pessoa a voltar à estabilidade.

Se considerar que o seu familiar poderá beneficiar de um internamento hospitalar, descubra tudo o que puder sobre os hospitais locais e serviços ambulatórios que oferecem. Tente fazer isso antes de uma crise. Descubra se o seguro de saúde cobre hospitalização e, se não, informe-se sobre instalações comunitárias ou estatais que proporcionem este apoio.

Se o seu familiar estiver disposto a fazê-lo, sugira discutir a possibilidade de hospitalização com um médico antes que surja essa necessidade e faça uma lista de hospitais, medicamentos e métodos de tratamento preferenciais para uso numa crise. Enquanto o seu familiar estiver hospitalizado, seja solidário visitando frequentemente e trazendo itens reconfortantes ou familiares. Faça perguntas à equipa; se eles não tiverem as respostas, encontre alguém no hospital que tenha. Não tenha medo de ser assertivo ao garantir que seu o familiar receba o melhor tratamento disponível. Mantenha registos das pessoas com quem você conversa e quando.

 

Como posso apoiar alguém durante o tratamento em ambulatório?

Quando o seu amigo ou membro da família começar a procurar um médico ou terapeuta, mostre que apoia a decisão de procurar tratamento e pergunte como pode ser de grande ajuda. Aprenda os sintomas do seu familiar. Cada pessoa precisa de diferentes tipos de ajuda para manter os sintomas controlados. Aprenda sobre os medicamentos e quais os efeitos colaterais a esperar. Algumas pessoas acham útil escrever sobre a mania e planos de prevenção de suicídio e fornecer cópias para amigos e parentes de confiança. Esses planos devem incluir:

  • Uma lista de sintomas que podem ser sinais de que a pessoa está a tornar-se maníaca ou suicida.
  • Uma lista de eventos de grande stress que que podem contribuir para os seus sintomas (por exemplo, o término recente de um relacionamento).
  • Coisas que podem fazer para ajudar quando virem esses sintomas.
  • Uma lista de números de telefone úteis, incluindo de profissionais de saúde, familiares, amigos e linhas de apoio .
  • Uma promessa do seu amigo ou membro da família de que ele ligará para si, outros amigos ou parentes de confiança, um dos médicos, uma linha de crise ou para um hospital quando os sintomas maníacos ou depressivos se tornam graves.

    Palavras encorajadoras como "A tua vida é valiosa e vale a pena, mesmo que não pareça assim agora".
     
  • Verificações da realidade como: "Não devo tomar grandes decisões de vida quando os meus pensamentos estão acelerados e me sinto no topo do mundo. Eu preciso parar e reservar um tempo para discutir essas coisas com outras pessoas antes que de tomar uma atitude.

 

Quanto tempo leva para a pessoa se sentir melhor?

Algumas pessoas são capazes de estabilizar rapidamente após o início do tratamento; outras demoram mais e precisam tentar vários tratamentos, medicamentos ou combinações de medicamentos antes de se sentirem melhor.

O aconselhamento em psicologia pode ser útil para gerir sintomas durante esse período. Os episódios de humor podem durar meses sem tratamento, e a maioria das pessoas recupera mais cedo com o tratamento. Se um amigo seu ou membro da família estiver a enfrentar desafios no tratamento, a pessoa precisará do seu apoio e paciência mais do que nunca. A educação pode ajudar a descobrir todas as opções disponíveis e a decidir se uma segunda opinião é necessária. Ajude o seu familiar a tomar o medicamento conforme prescrito e não assuma que ele(a) não está a seguir o plano de tratamento apenas porque não está se sente 100% melhor.

 

E quanto a mim?

É importante cuidar de si mesmo e é normal que tenha sintomas de stress, ansiedade ou depressão quando alguém com quem se importa está doente. É importante que crie o seu próprio sistema de apoio, de pessoas que o ouvirão e se preocuparão com seu bem-estar, incluindo amigos, parentes e possivelmente um médico ou terapeuta. Pode pensar que os seus problemas são menores em comparação com o que seu familiar está a enfrentar, mas isso não significa que seja menos merecedor de ajuda e conforto. Reserve um tempo para si mesmo e para fazer as coisas de que gosta ou que o relaxam. Poderá apoiar melhor a pessoa com quem se importa quando estiver saudável, descansado e relaxado.

 

O que posso fazer quando o meu filho está doente?

Paciência e compreensão são especialmente importantes quando uma criança está doente. Crianças com perturbação bipolar geralmente apresentam sintomas diferentes dos adultos e são mais propensas a mudar rapidamente de sintomas maníacos para sintomas depressivos. Certifique-se de ter um médico que entenda as perturbações de humor em crianças e com quem possa discutir o tratamento do seu filho. Comunique ao seu filho que está a trabalhar com os médicos para arranjar uma solução com vista a sentir-se melhor. Explique a condição do seu filho a irmãos num nível que eles possam entender. Sugira maneiras pelas quais eles podem ajudar. Procure aconselhamento familiar se necessário. Também é útil fazer contatos com outros pais cujos filhos têm uma perturbação do humor.

Com o apoio do profissional de saúde mental do seu filho, ajude-o a aprender técnicas de relaxamento e a usá-las em casa. Ensine-lhe estratégias positivas se sentirem mais preparados para situações de stress. Incentive o seu filho a expressar-se através da arte, música, escrita, brincadeira ou qualquer outra forma. Providencie rotina e estrutura em casa com liberdade dentro de limites. Acima de tudo, lembre-se de que as perturbações do humor não são causadas ​​por pais maus e não se culpe pela doença do seu filho. As crianças com perturbações do humor saem-se melhor num ambiente doméstico tranquilo e de baixo stress e com um estilo de comunicação familiar calmo, de baixo volume, não crítico e focado na solução de problemas, em vez de punição ou culpa.

A redução do stress na escola através do uso de um Plano Educacional Individual também é muito importante. Solicite uma avaliação ao seu conselheiro escolar ou psicólogo da criança para iniciar o processo.

Um horário regular, especialmente horários regulares para acordar de manhã e dormir à noite, ajuda a estabilizar o humor.

Se o seu filho com perturbação de humor for adulto, é importante tratá-lo como adulto, mesmo quando não estiver a agir como um. Por mais que queira, pode não ser capaz de forçar o seu filho adulto a manter consultas médicas ou tomar a medicação. Como qualquer outro membro da família, continue incentivando o tratamento e oferecendo o seu apoio, mas também estabeleça limites para si mesmo, como não emprestar dinheiro se o seu filho adulto parecer ter sintomas maníacos ou hipomaníacos. A ADEB oferece apoio para os pais e outros familiares, onde encontrará outras pessoas que estão têm experiências semelhantes.

SAIBA MAIS

 

O que posso fazer quando um familiar idoso está doente?

Lembre-se de que as perturbações do humor não fazem parte do envelhecimento normativo. Poderá enfrentar desafios adicionais se um familiar idoso estiver doente e morar longe de si ou em residência de vida apoiada. Mantenha-se informado sobre o tratamento que o seu familiar está a receber. Desenvolva um relacionamento com os médicos e a equipa da residência. O seu parente pode precisar de ajuda especial para se lembrar de tomar medicamentos. Certifique-se de que todos os médicos comunicam se estiver a ser tratado por várias doenças. Isso é extremamente importante, pois alguns medicamentos para perturbações do humor podem interagir com medicamentos para outras doenças e causar problemas.

Problemas de humor e problemas de memória geralmente andam juntos. Sintomas de humor podem contribuir para problemas de memória e problemas de memória podem contribuir para sintomas de humor. Poderá ser útil passar mais tempo com o seu familiar idoso ou, se isso for difícil, encontrar-se com outros familiares para ver se pode revezar-se a visitar ou cuidar do seu familiar.

 

Como os Grupos de Ajuda pode ajudar o meu familiar e a mim?

A ADEB tem vários grupos de Ajuda Mútua para pessoas com perturbação bipolar ou depressão e seus familiares. Não precisa se sentir sozinho ou envergonhado.

Nos grupos há partilha de experiências, discussão de estratégias e oferece-se esperança num ambiente seguro e confidencial.

Os Grupos de Auto Ajuda da ADEB prestam cuidados e assistência importantes para uma recuperação duradoura. As pessoas que frequentam os grupos de apoio da ADEB dizem que os grupos:

  • Fornecem um local seguro e acolhedor para aceitação, compreensão e autodescoberta mútua.
  • Dá-lhes oportunidade de procurar outras pessoas e beneficiar da experiência daqueles que “viveram isto”.
  • Motiva-os a seguir os seus planos de tratamento.
  • Ajuda-os a entender que as perturbações do humor não definem quem são.
  • Ajuda-os a redescobrir os seus pontos fortes e humor.

De acordo com uma pesquisa da DBSA, as pessoas que frequentavam grupos de Ajuda Mútua por mais de um ano também tinham menos probabilidades de terem sido hospitalizadas pela sua perturbação de humor durante esse ano.

Há esperança!

O tratamento para perturbações do humor funciona e a maioria das pessoas com perturbações do humor pode e volta a ter uma vida estável e produtiva. Continue trabalhando com o seu familiar e seus prestadores de serviços de saúde para encontrar tratamentos que funcionem e lembre-o de que estará lá para obter apoio. Não desista da esperança.

 

O que são perturbações do humor?

As perturbações do humor são condições médicas tratáveis ​​que envolvem mudanças de humor, pensamentos, energia e comportamento. Uma pessoa com depressão tem períodos de humor deprimido. Uma pessoa com bipolar (anteriormente conhecida como doença maníaco depressiva) tem um humor que geralmente alterna entre mania, um humor extremamente ativo e depressão, um humor extremamente baixo. Sentir-se deprimido e agitado ou acelerado pode ocorrer ao mesmo tempo. As perturbações do humor têm muitos sintomas.

Sintomas de Depressão

  • Humor triste, vazio, irritável ou choroso a maior parte do dia, quase todos os dias
  • Não há interesse ou prazer nas atividades
  • Grandes mudanças no apetite ou no peso corporal
  • Insónia ou dormir demais
  • Sentimentos de inquietação ou desaceleração
  • Fadiga, exaustão, falta de energia
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva
  • Incapacidade de se concentrar ou tomar decisões
  • Pensamentos de morte ou suicídio

Sintomas de Mania

  • Sentir-se excessivamente enérgico, melhor do que bom ou incomumente irritável por pelo menos uma semana
  • Auto-estima muito alta, sentindo-se todo-poderoso
  • Diminuição da necessidade de dormir sem se sentir cansado
  • Falar mais do que o habitual, sentindo pressão para continuar falando
  • Pensamentos rápidos, muitas idéias de uma só vez
  • Distrai-se facilmente, pensamentos ou declarações saltando de tópico para tópico
  • Aumento da atividade direcionada a objetivos, inquietação
  • Busca excessiva de prazer (por exemplo, financeira ou sexual) sem pensar nas consequências

Episódio Hipomaníaco
Semelhante a um episódio maníaco, mas menos grave, com uma óbvia mudança de comportamento que é incomum ou fora de caráter. Estado misto é o período durante o qual os sintomas de um episódio maníaco e de um episódio depressivo estão presentes ao mesmo tempo

Ciclotimia
É uma forma mais leve de doença bipolar, caracterizada por episódios hipomaníacos alternados e episódios menos graves de depressão.

Ciclos Rápidos
Ocorrem quando uma pessoa apresenta quatro ou mais episódios maníacos, hipomaníacos, mistos ou depressivos num período de 12 meses.

 

Qual é a diferença entre uma perturbação do humor e mudanças de humor comuns?

Intensidade
As mudanças de humor que surgem com uma perturbação do humor são geralmente mais graves do que as normais.

Duração
Um mau humor geralmente desaparece em alguns dias, mas a mania ou a depressão podem durar semanas ou meses.

Quando uma pessoa sofre de ciclos rápidos, o humor pode variar rapidamente mas a pessoa geralmente não volta a ter um humor estável por um longo período de tempo.

Interferência na vida
Os extremos de humor que acompanham as oscilações do humor podem causar problemas sérios. Por exemplo, a depressão pode tornar uma pessoa incapaz de sair da cama ou ir trabalhar e a mania pode levar uma pessoa a passar dias sem dormir ou gastar dinheiro que não possui.



Destaque

Notícias e actividades

VER TODAS

Apresentação Dr. José Manuel Jara

Apresentação Dr. José Manuel Jara

Sessão Psicopedagógica: A Mania na doença Bipolar

Publicado a 21/09/2019

+ Ver mais
Atividades ADEB (Sede Nacional) 2º semestre 2019

Atividades ADEB (Sede Nacional) 2º semestre 2019

Sessões Psicopedagógicas (“A Mania na Perturbação Bipolar e Apresentação do livro “Escuridão Visível” sobre Depressão e “Doença Bipolar, Estigma e Psicoed ...

Publicado a 03/09/2019

+ Ver mais
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização